Centro de Atendimento em Reabilitação Profissional, Fisioterapêutico e Estratégias de Saúde da Família (CARPE) atende cidadãos do oeste catarinense. Foto: ACS/SC

Seis municípios atendidos pela Agência da Previdência Social de Capinzal, no oeste de Santa Catarina, comemoram os benefícios da implantação do Centro de Atendimento em Reabilitação Profissional, Fisioterapêutico e Estratégias de Saúde da Família (CARPE). O centro erguido em Capinzal alcança, potencialmente, 1.200 segurados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que venham a precisar de serviços de reabilitação. Em pouco mais de um mês de funcionamento, estão em atendimento 75 trabalhadores acidentados ou vítimas de doenças ocupacionais encaminhados pela perícia médica do INSS.

Depois de passar pela avaliação de uma equipe multiprofissional, coordenada pela Reabilitação Profissional (RP) da Gerência-Executiva do INSS em Chapecó, os segurados têm a seu dispor serviços de psiquiatria, ortopedia, fisioterapia, terapia ocupacional, clínica geral, academia para reabilitação e piscina terapêutica – todos reunidos no mesmo prédio. A obra, no valor de R$ 2,4 milhões, foi realizada com recursos do Ministério Público do Trabalho através de uma ação civil pública denominada Termo de Ajuste de Conduta (TAC), acordada com a Empresa BRF pela ocorrência de doenças ocupacionais e acidentes do trabalho.   (mais…)

O ano de 2010 mudou para sempre a vida da segurada Tânia Maria Gomes, 52. Casada, atuante, vivia tranquila ao lado do marido Edmílson Alexandre do Nascimento, 46, e dos dois filhos. Na vida profissional trabalhava como serviços gerais, do Colégio Normal Estadual, um dos mais tradicionais de Afogados da Ingazeira, no Sertão de Pernambuco.

Em junho daquele ano sofreu um aneurisma cerebral que a deixou dependente em todos os sentidos. Não fala, não se movimenta, não conhece ninguém. Vive em cima de uma cama hospitalar sob os cuidados do marido. “Tudo sou eu que faço. O banho é no leito. Era uma mulher ativa em todos os sentidos. Hoje vive assim. Do jeito que deixar ela fica”, explica. (mais…)

Nova Agência da Previdência Social Santo Antonio do Monte atenderá das 8h às 14h.

Nova Agência da Previdência Social Santo Antonio do Monte atenderá das 8h às 14h. Foto: SRII/INSS

Na manhã desta segunda-feira (16), o INSS inaugurou mais uma Agência da Previdência Social em Santo Antônio do Monte, no Centro-Oeste de Minas. Além da população local, os moradores de Pedra do Indaiá também serão beneficiados pela nova unidade, totalizando 31 mil habitantes.

O superintendente regional do INSS Sudeste II, Paulo Eduardo Cirino, que presidiu a solenidade, destacou a importância da Previdência Social como a principal distribuidora de renda do país. Ele ressaltou que a nova unidade de Santo Antônio do Monte será responsável pela manutenção de 4.577 benefícios, injetando mensalmente na economia local mais de 3,6 milhões de reais. “Esse valor corresponde a cinco vezes mais que o montante repassado pelo Fundo de Participação do Município”, afirmou. (mais…)

Sr. Inácio dos Santos deixou de ser empregado e agora trabalha por conta própria. Foto: ACS/PE

O litoral nordestino guarda beleza e reserva surpresas. Quando o destino é o estado de Alagoas o roteiro inclui um mar que abriga uma das mais belas formações com arrecifes de coral com flora e fauna riquíssimas, e que na maré baixa, formam piscinas naturais. Também é terra de gente acolhedora e de lugares onde a natureza ainda parece intocada, apesar de o turismo ser crescente. Na cidade, que antes era um povoado chamado Gamela, nada parece ter pressa. O comércio ainda obedece aos horários praticados em cidades do interior. Fecha as portas para o almoço e só retorna após as 14h.

Na praia de Barra Grande, uma das melhores da cidade, mora o aposentado Inácio dos Santos, 65. Ele encontra-se, pacientemente embaixo de uma bela sombra. Linha e agulha vão costurando a rede. Passa horas nesse trabalho que precisa de muita experiência para encontrar os buracos feitos durante a pesca. Aposentado há um ano, aparenta a calmaria que envolve o ambiente. Apesar de ser bom pescador, o benefício foi conseguido como agricultor. “Aposentei num agência em Maceió(AL), como trabalhador do campo. A pesca é meu lazer, mas a roça é meu ofício desde os 10 anos quando aprendi a usar a enxada e trabalhar a terra. Não deixo de jeito algum”, diz. (mais…)

Valdelino Lima e Célia Mara, representante da empresa que viabilizou o seu retorno ao mercado de trabalho. Foto: SCS/AM

 

Valdelino Conceição Lima (40), reabilitado do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), foi uma das pessoas que deixou o “Dia D”, em Manaus (AM), com uma proposta concreta para retornar ao mercado  de trabalho. Mais de 400 pessoas com deficiência, participantes do programa de Reabilitação Profissional e segurados reabilitados do Instituto, candidataram-se a uma vaga no mercado de trabalho no Dia D de Inclusão da Pessoa com Deficiência e Reabilitada da Previdência Social no Mercado de Trabalho, na capital do amazonas.

Eletricista de  alta tensão, Valdelino  entrou para o Programa de Reabilitação Profissional do INSS em de fevereiro de 2014, após um acidente com lesão cortante em sua mão direita, que o impediu de exercer sua função de origem. Após sete meses, depois de concluir o curso para exercício da função de Eletricista Instalador Predial de Baixa Tensão, oferecido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial/Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Senai/Pronatec), o segurado foi reabilitado e certificado pela Reabilitação Profissional do INSS. (mais…)

O aposentado Hermínio Cândido da Silva diz estar feliz com a aposentadoria, pois dinheiro nunca falhou. Foto: Divulgação ACS/PE

O aposentado, Hermínio Cândido da Silva, 65 anos, fez do campo sua fonte de renda. Não é conta de mentiroso, mas ele é pai de 29 filhos (com a mesma mulher), dos quais, 11 estão vivos. “Naquele tempo não tinha televisão no sítio (rss). Só um nasceu no hospital. Os outros em casa, com parteira. É bom ser pai de tantos filhos. Por fora tenho outros cinco e a mulher sabe”, conta num sorriso de quem teve muita boca para alimentar, mas que nunca se deixou abater com a seca e estiagem prolongada do sertão.

Até receber a aposentadoria rural, a única fonte de renda foi o campo. Trabalhou por um alimento sadio para ver a família crescer. Morador do sítio Varzinha, no município de Afogados da Ingazeira (PE), sertão do Pajeú, o produtor planta, colhe e vende. As hortaliças enfeitam um campo de três hectares. Dá gosto de ver a beleza dos produtos como alface, cebola, coentro, beterraba, cenoura. A chegada do benefício foi na hora certa. “Faz cinco anos que recebo. Esse dinheiro nunca falhou. Me ajudou até com empréstimo para meu filho, numa hora em que precisou. Estou contente demais”, diz naquele sotaque sertanejo onde a voz parece ter melodia. (mais…)

Novo Prédio da Agência Porto Velho

Novo Prédio da Agência Porto Velho. Foto: Divulgação SCS/RO

A Agência da Previdência Social Porto Velho (Av. Rio Madeira) irá funcionar em novo endereço a partir do dia 28 de setembro (segunda-feira), na Rua Campos Sales, nº 3.132, bairro Olaria. O prédio do INSS fica próximo à Rua Quintino Bocaiuva.

No dia 25 de setembro, próxima sexta-feira, a agência antiga funciona até as 12 horas para que a mudança possa ser efetivada. A unidade de atendimento é a única da capital de Rondônia e a maior do estado e ficará abrigada no térreo do edifício-sede da Gerência-Executiva do INSS até que um imóvel próprio seja reformado para recebê-la, com mais conforto para segurados e servidores.

Os segurados que estiverem agendados para serem atendidos a partir do dia 29 de setembro devem se dirigir para o novo endereço – Rua Campos Sales, nº 3.132, bairro Olaria.

O horário de funcionamento continua das 7h30 às 15h30. (SCS/RO)

 

Joseja Barbosa esbanja com muita satisfação a condição de ser uma aposentada da Previdência Social. Foto: Denise Martins - ACS/PE


Os tempos são modernos, até para quem mora em lugares mais distantes dos centros urbanos. Mas essa realidade é atual. Não faz tanto tempo assim que a luz que chegava nas comunidades rurais no Sertão de Pernambuco era a de vela ou lampião. O tempo, como se diz por lá, se arrastava, sem pressa. As noites ganhavam mais beleza com um céu povoado de estrelas que embelezavam e que até hoje poetizam o luar do Sertão.

A vida simples costuma tornar as pessoas também mais humildes, e desnecessárias de tantas informações que circulam na mídia. Foi num tempo assim, de noites estreladas e onde o som do rádio de pilha trazia as informações, que dona Josefa Barbosa, 55, nasceu, cresceu e formou família. E que família. Uma prole de nove filhos. “Todos nascidos e bem-criados”, diz com um largo sorriso. Mas salário-maternidade não recebeu de nenhum.

A Lei nº 8.213/91 que instituiu o salário-maternidade, não foi uma realidade para ela. “Eu nem sabia que existia. A mulher que fez do campo a sua profissão, teve duas barrigas de gêmeos. O filho mais novo, tem hoje, 26 anos. O direito à licença-maternidade está previsto no artigo 7º, inciso XVII da Constituição Federal, de 1988. A Licença maternidade ou licença-gestante é um benefício de caráter previdenciário garantido pelo artigo 7º, inciso XVIII da Constituição Brasileira, que consiste em conceder à mulher que deu à luz licença remunerada de 120 dias. Para garantir o valor liberado pela Previdência Social é necessário comprovar as atividades rurais por meio de documentos como certidão de casamento, escolaridade e até mesmo com fotos. (mais…)

Maria Aparecida diz que a contribuição ao INSS é uma espécie de poupança para o futuro. Foto: Divulgação ACS/MG

O medo de adoecer e não conseguir trabalhar é um dos principais motivos que leva a cabeleireira mineira Maria Aparecida de Paula Gonzaga a manter o pagamento mensal para o INSS. “A gente vai envelhecendo e aumentam as possibilidades de adoecer. Então, precisamos nos precaver”, avalia a profissional.

Após vários anos sem contribuir, Cida – como é conhecida – voltou a recolher para o INSS graças à insistência de uma cliente, que perguntava constantemente sobre o assunto. E teve sorte,  pois precisou, em março deste ano, do benefício de  auxílio-doença em decorrência de uma infecção que a deixou  internada por seis dias no hospital.

Assim que obteve a alta, agendou a perícia médica pela Central 135. Após passar pela Agência da Previdência Social BH-Calafate, teve o benefício concedido. “Mesmo sendo por um período curto, o auxílio-doença me ajudou”, reconhece. A cabeleireira contribui na categoria de contribuinte individual, na alíquota reduzida de 11% sobre o salário mínimo, sob o código 1163.

Cida lembra que a cliente lhe passou o código e o valor a ser pago, além de ensinar a preencher o “carnezinho”, informa. Foi aí que Cida descobriu que tinha recolhido a contribuição no código errado e precisou agendar um atendimento na Agência da Previdência para regularizar sua situação. (mais…)

Maria das Dores da Silva conta com orgulho que é uma aposentada do “INSS”. Foto: Denise Martins - ACS/PE

No Sertão do Pajeú, na cidade de Afogados da Ingazeira, a 400 km da capital Recife, todo sábado é dia de feira. O movimento começa já pela madrugada quando os carros chegam abarrotados de frutas e hortaliças. Os feirantes, em sua maioria, moram na zona rural. São pequenos sítios onde áreas de 4 hectares se transformam em plantações.

Em um desses recantos, no sítio Rodeador, já beneficiado com energia e água de cisternas, e a 2 km do município, mora dona Maria das Dores Alves da Silva, 55, mãe de um casal e duas netas. A senhora é uma simpatia. E tem a sabedoria de quem lida com a terra desde os 8 anos de idade quando aprendeu a plantar junto com o pai. “Adoro a agricultura. A gente sente uma alegria muito grande em mexer com a terra e falar com as plantas porque elas têm vida, assim como a gente”, diz. (mais…)